Advertisements
Anúncios
Advertisements

DNA nazista pode justificar Bolsonaro pensando em “perdão” ao imperdoável Holocausto

Em mais uma de suas declarações lamentáveis, o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, disse: “podemos perdoar o holocausto, mas nunca esquecê-lo”.

As reações, por razões evidentes, foram as piores possíveis.

O DNA nazista do atual mandatário da nação, confirmado pelo próprio, em entrevista, tempos atrás, ao CQC, provavelmente deve ter contribuído à distorção de avaliação do mais sanguinário regime do qual se tem provas e relatos na história da humanidade.

Tudo indica, o mesmo princípio aproxima os filhos do Presidente da adoração aos torturadores da Ditadura brasileira.

Disse Bolsonaro ao CQC:

“(…) tem que entender o que aconteceu naquela época (nazismo)… eles tinham um plano de dominar o mundo e impor a sua raça”

“(…) os vencedores em batalha impõem as suas vontades… e o Hitler queria impor as suas vontades…”

“Profissionalmente, ele foi um grande estrategista… quando você tem um general, aqui no Brasil ou em qualquer exército do mundo, aquele general tem que estar pronto para aniquilar outro país, destruir outro país, para defender o seu povo”

“O meu bisavô foi soldado de Hitler… ele perdeu um braço, inclusive, na guerra, né ?”

“Qual o problema ? A minha família são de alemães e italianos…”

“Quando converso com afro-descendentes, quando escuto a questão de cotas, sou radicalmente contra qualquer tipo de cotas, eu pergunto: “sou melhor do que você ?”, o cara diz: “Ah! não”, eu respondo: “então somos iguais… não tenho culpa de ter nascido com o olho azul”

Até o presidente de Israel, Reuven Rivlin,país que Bolsonaro tem bajulado tanto quanto aos EUA, não se conteve e, ontem (13), afirmou:

“Nós sempre iremos nos opor a aqueles que negam a verdade ou aos que desejam expurgar nossa memória —nem indivíduos ou grupos, nem líderes de partidos ou premiês. Nós nunca vamos perdoar nem esquecer.”

Mais difícil do que governar para alguém que, como Bolsonaro, manteve-se irrelevante durante décadas, é esconder, em tempo integral, apesar dos esforços do seu pessoal de marketing, a boçalidade intelectual de toda uma vida, herança de ensinamentos nazistas que serviram de base à devoção àqueles que subjugaram a população brasileira sob (e não “sobre”, como diria o genial ministro Sérgio Moro) a covardia de coturnos enlameados.

Advertisements
Anúncios

Facebook Comments

4 comentários em “DNA nazista pode justificar Bolsonaro pensando em “perdão” ao imperdoável Holocausto”

  1. Vc analisou o DNA dele? Há como saber ser ele é nazista, através do sangue? Ou o Deus da religião que ele – e milhões – segue “diz” que devemos perdoar a todos? O Brasil é um país católico, cujo Deus prega o perdão a todos os erros. Não estaria ele agindo de acordo com a sua religião?
    Vc caiu na vala comum… sensacionalismo e irresponsabilidade nas supostas matérias… Primeiro escreveu que jornalistas sofreram tortura recentemente, e supostamente por causa de atitudes do Bolsonaro, fato esse que ocorreu há mais de uma década. Agora isso. É uma pena… Deveria parar de seguir Juca Kfouri e se espelhar em Joelmir Beting, Alexandre Moreira, José Nêumanne. Esses jamais foram irresponsáveis em seus trabalhos jornalísticos, mesmo discordando do objeto da matéria…

    Paulinho: aprenda a ler e interpretar antes de dizer asneiras… eu disse que o DNA é nazista e não há necessidade de análise, por se tratar de avô… não disse que ele é… apesar de parecer, em palavras e atitudes, simpático à causa…

  2. Não nos esqueçamos que “NÓS” elegemos esse imbecil da mesma forma que “ELEGEMOS”, por “DUAS” vezes, a burra da Dilma. Tem que parar com essa baboseira “… foi condenado sem provas…, “.. roubou muito…”, … se fosse filho do Lula…”, etc Acabou! Lula está preso e o PT está fora.
    Vamos debater o agora, o que foi dito e feito no presente. Isso é democracia. Abraço

  3. Eu sei ler. Vc, aparentemente, não entende nem o que escreve… Vou desenhar pra vc: A tua ironia foi respondida com ironia! E vc não age com imparcialidade, como a pobre imprensa brasileira. Não à toa, não é necessário estudar pra trabalhar com jornalismo… Perdão é elogiável e nobre. Não há uma religião sequer que negue isso… Mas vc não consegue ser imparcial… Pobre ex- imprensa brasileira…

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
Powered by
%d blogueiros gostam disto: