Advertisements
Anúncios

Seria Bolsonaro um direitista de esquerda?

Do ESTADÃO

Por FERNANDO SCHULLER

Ele confia que esta é uma eleição pulverizada e que é possível chegar ao segundo turno com menos de 20% dos votos

Dias atrás eu escutava um ilustre intelectual, apoiador de Bolsonaro, sugerindo o seguinte: essa campanha não é sobre os rumos da economia, regra de ouro ou reformas estruturais que o país precisa fazer. É sobre coisas bem mais elementares.

Há uma sensação de insegurança em nossas cidades e de incerteza em nossa democracia. As pessoas desejam ordem. O ponto de Bolsonaro não é discutir se a idade mínima da aposentadoria deve ser aos 60 ou 65 anos, mas insistir em uma pergunta muito simples: quando seus filhos saem à noite, você tem certeza de que eles irão voltar?

Ok, tudo isto faz parte de uma estratégia. Bolsonaro está longe de ter um programa estruturado para a segurança pública. Ele sabe que isso conta muito pouco em uma eleição. Seu ponto é encarnar a imagem do homem providencial que bate no peito e dá conta do problema.

Vai daí o repertório de frases de efeito e a agenda genérica envolvendo a crítica aos direitos humanos, amplo direito ao porte de arma, redução da maioridade penal e aprovação do chamado excludente de ilicitude, que, no limite, dá carta branca para a polícia “fazer o seu serviço”.

O foco de Bolsonaro parece bastante claro: ele confia que esta é uma eleição pulverizada e que é possível a um candidato chegar ao segundo turno com menos de 20% dos votos. Isto posto, suas posições extremadas e favoráveis ao regime militar (sob muitos aspectos inaceitáveis) estão longe de ser um problema.

Pesquisa do Pew Research Center mostrou que 38% dos brasileiros simpatizam com a ideia de um governo militar, percentual acima da média latino-americana. Entre os que não têm ensino médio completo, o apoio aumenta e vai a 45% da população.

Mesmo contando relativamente pouco para o sucesso ou insucesso eleitoral, vale perguntar qual é, afinal de contas, a visão econômica deBolsonaro. Sua retórica é incerta, mas não é difícil ter uma ideia aproximada do que pensa o deputado observando suas votações no Congresso.

Se tomarmos sete votações estratégicas, de um ponto de vista econômico, teremos o seguinte quadro: Bolsonaro se absteve na votação da Lei da Terceirização; apoiou a PEC do teto, o fim da participação obrigatória da Petrobras no pré-sal, a reforma trabalhista e a criação da TLP; foi contra a reforma da Previdência e a recente Lei do Cadastro Positivo. Na votação sobre os aplicativos de transporte urbanos, não compareceu.

Este histórico não autoriza, ao menos não de forma nítida, a definição de Rodrigo Maia, segundo a qual Bolsonaro seria um tipo de direita, nos valores, e de esquerda, na economia. A ideia é sedutora.

Ao contrário do que ocorreu no mundo anglosaxônico, com sua mescla de conservadorismo cultural e liberalismo econômico, teríamos criado a síntese brasileira: o direitismo de esquerda.

Mas o fato é que isto é apenas uma meia verdade. Bolsonaro é um personagem dúbio. Ele diz que até pode ser a favor da privatização da Petrobras, mas com uma golden share e dependendo de quem serão os compradores.

Sobre a autonomia do Banco Central, foi bastante objetivo, defendendo “mandatos e metas de inflação claras, aprovadas pelo Congresso”.

Sua aproximação a Paulo Guedes e economistas liberais, que parece bastante sólida, sugere um personagem em transição entre o nacionalismo folclórico, do início da carreira, a posições pró-mercado pontuadas por eventuais recaídas, marcadas pela fraseologia contra o sistema financeiro e coisas do tipo.

Bolsonaro é um caso típico de populista em um dos sentidos sugeridos por Joel Pinheiro da Fonseca: na aposta na lógica da divisão social, do nós contra eles, na ideia vaga, ainda que sedutora, dos “cidadãos de bem contra a elite progressista que quer corrompê-los”.

Neste ponto, ele não se distingue muito da esquerda, na mão inversa. É uma retórica eficiente, nestes tempos em que a democracia foi assaltada pela guerra cultural.

Quanto à agenda econômica, não é clara a associação de Bolsonaro ao populismo. Suas posições recentes, no Congresso, não autorizam objetivamente este enquadramento.

O ponto é que tudo isso parece andar distante da demanda dos eleitores e do debate que se estabeleceu, pelo menos até agora, na corrida eleitoral. O futuro dirá para onde exatamente caminhamos.

Advertisements
Anúncios

Facebook Comments

2 comentários sobre “Seria Bolsonaro um direitista de esquerda?

  1. Plano de governo de Bolsoasno

    quanto à economia: ele não entende nada de economia. Ele só entende qdo lhe favorece (por exemplo comprar imóveis abaixo do valor de mercado.
    quanto a segurança: irá dar porte de arma a todos os brasileiros e bandido bom e bandido morto.
    quanto à saúde: irá prevenir a cárie nos bebês, ainda no ventre da mãe
    quanto ao entendimento entre os parlamentares: irá fechar o congresso nacional.
    quanto à diplomacia: irá prestar continência à bandeira americana e ao Trump.
    quanto a educação: homem nao precisa ser educado. Homem tem que ter porte de arma e resolver seus problemas na base da bala.
    quanto às mulheres: mulher engravida. Por isso, tem de ganhar menos.
    quanto aos indígenas: suas terras são improdutivas. Serão desapropriadas e vendidas aos grandes agricultores
    quanto às privatizações: tem que privatizar tudo. Estado zero. Aliás, o estado será ele. Ele será senhor supremo. Ele decidirá.
    quanto aos direitos dos LGBTS: : direito de apanhar. Uma boa surra irá acabar com o homossexualismo.

    Esse será o governo do Bolsoasno. Uma terra de bang bang. Tudo será resolvido na base da bala. Briga de trânsito, desacordo comercial, desacordo trabalhista, enfim todo tipo. A bala será a mediadora. As funerárias estão ávidas pela eleição do Bolsoasno.

  2. governo do Bolsonaro

    a LEI será rigorosamente CUMPRIDA, para um cidadão de BEM, isso não é um problema, já para os desordeiros e bandidos…. a lei será aplicada!

    sei que para os esquerdopatas é difícil isso, pois odeiam cumprir leis, adoram tirar os direitos de ir e vir dos civis, ameaçar, agredir, e idolatrar bandidos, mas se Deus quiser esses tempos vão acabar.

    rezem para ele não ganhar, pq se ganhar, as LEIS vão prevalecer!

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

×
Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
%d blogueiros gostam disto: