Advertisements
Anúncios

O “Cartão Vermelho” da Globo

Será lançado, nos próximos dias, o livro “Cartão Vermelho”, escrito pelo jornalista Ken Bensinger, fonte das principais informações à respeito dos julgamentos, nos EUA, de cartolas ligados ao escândalo da FIFA.

Foi através dele, pelo site BuzzFeed, que a imprensa brasileira soube detalhes das delações de J.Hávilla e acompanhou de perto a condenação de José Maria Marin, ex-presidente da CBF.

Bensinger revelou, também, que os donos de diversos intermediários de mídia, entre as quais a argentina “Torneos”, apontaram, em delação, que a Rede Globo, por intermédio do executivo Marcelo Campos Pinto – que a emissora disse, em Jornal Nacional, não conseguir localizar para responder a questionamentos – teria pagado propinas diversas para obter os direitos de transmissão dos principais campeonatos do planeta.

Nesse contexto, é estranho que a obra do jornalista seja lançada, justamente, pelo selo “Globo Livros”.

Das duas uma: a editora, de propriedade da organizações “Globo”, possui independência pouco vista noutras empresas da “constelação” ou se faz necessário, antes de ler a versão brasileira, adquirir o produto original, em inglês, para verificação de possíveis “erros de tradução”.

Advertisements
Anúncios

Banco parceiro do Corinthians tem histórico pra lá de suspeito no mercado

“Para o economista, o nível ótimo de corrupção não é zero… porque toda vez que eu elimino um foco, uma atividade corrupta, eu incorro num custo… e se esse custo é maior do que eliminar aquele tipo de corrupção, a economia recomenda que não faça…”

“Mas e a ética ? Não… estou te falando aqui como economista…”

(LUIS PAULO ROSENBERG)


Na última semana, o Corinthians anunciou a comercialização de patrocínio das mangas de sua camisa com o AGIBANK, sem divulgar, porém, os valores da operação.

A previsão orçamentária do clube fala em R$ 9 milhões, mas fontes de mercado garantiram que o acerto se deu próximo de R$ 5 milhões.

Há três dias, o Banco Central mandou liquidar as operações do banco “NEON”, que opera no mesmo sistema do AGIBANK (pela internet), por “graves violações” da legislação e também das regulamentações do sistema bancário.

A investigação segue com os demais bancos “digitais”.

O Blog do Paulinho soube, ainda, que o diretor de marketing do Corinthians, Luis Paulo Rosenberg, com histórico de condenações ligadas à fraudes bancárias, responsável pelo acerto com o AGIBANK, trabalha, nos bastidores, para que a empresa “compre” a dívida do clube nos contratos envolvendo o estádio de Itaquera, tornado-se, assim, a única credora do alvinegro.

Apesar da improbabilidade do negócio, até pela irrelevância do AGIBANK, que sequer possui capital aberto – ingressou, há uma semana (em 30 de abril) na CVM com prospecto de IPO – coincidentemente no período de acerto com o Corinthians – vasculhamos a história do banco, de seu proprietário e descobrimos relações conturbadas, algumas investigadas pelo Ministério Público Federal


AGIBANK e AGIPLAN

Marciano Testa

O AGIBANK, com este nome e operações inteiramente digitais, surgiu apenas em março de 2018, tendo como proprietário o empresário Marciano Testa, que, nas horas vagas, pratica automobilismo.

Antes, operava com o nome AGIPLAN, radicado no Rio Grande do Sul, com autorização apenas para realizar empréstimos no mesmo sistema da CREFISA e de tantas outras “financeiras” conhecidas pela prática do crédito consignado, invariavelmente a juros extorsivos.

A empresa chegava a cobrar quase 20% ao mês em boa parte das operações.

Neste período (2011 a 2016), a AGIPLAN foi objeto de 320 ações judicais (destas, 231 em território gaúcho, além de 67 em São Paulo).

Na mais recente, com decisão de janeiro de 2018, Marciano Testa, como gestor da financeira, foi condenado a indenizar clientes que reclamaram de “venda casada” e má-fé.

Segundo despacho do juíz Wellington Urbano Marinho, da 1ª Vara Cicil de Suzano, a AGIPLAN aproveitou-se dos dados das pessoas que tomavam empréstimos para enviar-lhes, sem solicitação, cartões de crédito.


AGIPLAN e BANCO GERADOR

Desde 2011 operando como “financeira”, a AGIPLAN somente no dia 05 de maio de 2016 (há apenas dois anos) transformou-se em instituição bancária, após controversa aquisição do Banco GERADOR, de Pernambuco, que, falido e investigado pelo Ministério Público, repassou-lhe 100% das ações pela simbólica quantia de R$ 1 (um real).

A venda foi tão estranha que os ex-sócios do GERADOR, até os dias atuais, enfrentam-se, com acusações mútuas, na Justiça.

Paulo Sergio Macedo registrou queixa por estelionato e falsificação de documentos contra Antônio Lavareda, então gestor do banco nordestino.

O banco Gerador foi investigado, ao menos, em cinco oportunidades, por participação em esquema de fraude beneficiando alguns Prefeitos, quando empréstimos consignados eram tomados em nome de funcionários fantasmas, mas sacados, na realidade, pelos gestores dos Municípios.

Na Paraíba, três cidades teriam sido lesadas: Condado, Matinha e Santo André.

Em Pernambuco, os municípios de Umarizal e Jaboatão dos Guararapes

No caso de Umarizal, o MP emitiu a seguinte nota:

“No curso da investigação, restou evidenciada a existência de um “esquema” de desvio de dinheiro através do Termo de Convênio celebrado entre a Prefeitura Municipal de Umarizal e o Banco Gerador S.A, para a concessão de empréstimos consignados e financiamentos aos servidores ativos e inativos daquela edilidade, pelo qual foram firmados 109 empréstimos dessa natureza na Prefeitura de Umarizal, sendo liberado nas contas dos interessados o valor total de R$ 1.571.792,33, o que gerou um saldo devedor aproximado de R$ 2.043.625,34 atualizado até o ano de 2014.”
 
“Entretanto, dos 109 beneficiários dos empréstimos, 98 sequer fazem parte do quadro de servidores públicos do Município de Umarizal. Tais empréstimos tiveram início no ano de 2010, na gestão do ex-prefeito e um dos investigados, e prosseguiu, até meados do ano de 2013, portanto, no início da gestão do atual prefeito.”
 
“Segundo as investigações, os membros do grupo criminoso, de forma organizada e com divisão de tarefas, fraudavam contracheques e, após o depósito do dinheiro nas contas dos beneficiários por parte do banco, sacavam e transferiam o montante em benefício do grupo criminoso e para financiar a campanha eleitoral do candidato vencedor das eleições locais de 2012”

Apesar de, em entrevistas, o primeiro ministro do Corinthians, Luis Paulo Rosenberg, vender a ideia de que “daqui por diante” somente fecharia “parcerias” com empresas importantes, evidencia-se pelo histórico do AGIBANK que, além de irrelevante no mercado, o grupo tem origem recente e suspeita.

Não à toa o Banco Central vem investigando, e fechando, empresas com perfis semelhantes, que não garantem segurança aos clientes captados.

O próprio Banco GERADOR, originador do AGIBANK, teve ordem de liquidação expedida pela BACEN, razão pela qual as ações foram comercializadas por quantia simbólica (Um Real).

Marciano Testa, dono do “parceiro” alvinegro, conheceu Luis Paulo Rosenberg no mercador financeiro, ambiente em que ambos possuem reputação controversa.

Se existe risco em fechar patrocínio com esse tipo de empresa (o Corinthians tem sido vítima de sucessivos calotes em acordos recentes), pior seria se, apesar de improvável, o acordo para repassar as dívidas do estádio fosse, de fato, concretizado.

Itair Machado e seus empresários, sorridentes, na Toca da Raposa

Itair Machado

“Se um de nós fizesse delação premiada… caia o mundo”

(Anderson Nassrala, agente de jogadores, sócio de Itair Machado (diretor de futebol do Cruzeiro) e Ângelo Pimentel)


O leitor do Blog do Paulinho sabe, desde o ano passado, que o departamento de futebol do Cruzeiro é tocado em sociedade pelos agentes de jogadores Itair Machado e Ângelo Pimentel, com auxílio de Marcelo Djian (também empresário), que colocam jogadores em nome de prepostos para dissimular a operação.

Um deles é Anderson Nassrala.

Apoiados pelo presidente do clube, que, para tal, dificilmente deve estar fora do negócio, os agentes, que antes negavam a aproximação, agora sequer disfarçam, postando o resultado de suas transações em mídia social.

Observe abaixo: na primeira foto, dentro da Toca da Raposa, Nassrala, ao lado de Serginho, assessor do presidente, diz estar em reunião com Itair Machado; já no registro seguinte, Nassrala, na mesa de Marcelo Djian, revela renovação de seu jogador, Halef, até o ano de 2022.

À SEGUIR, FAMOSA POSTAGEM DE NASSRALA COM ÂNGELO PIMENTEL E O “SINDICATO MINEIRO DOS AGENTES DE FUTEBOL”:

Saída de Superintendente da Arena de Itaquera é efeito do Corinthians nas mãos de Rosenberg

Lucio Blanco

Na última semana, o Superintendente da Arena de Itaquera, Lucio Blanco, pediu demissão do Corinthians após diversos conflitos com o “primeiro ministro” Luis Paulo Rosenberg.

Blanco era o último remanescente entre os funcionários que chegaram ao Parque São Jorge, em 2000, pela mãos da Hicks Muse.

À partir de 2007, aproximou-se do recém eleito Andres Sanches e passou a cuidar da arrecadação e venda de ingressos do Timão no Pacaembu; com a inauguração da Arena, foi alçado à superintendência de operações, já que a bilheteria está sendo tocada pela OMNI.

Rosenberg, oficialmente, ocupa o cargo de diretor de marketing, mas está dando ordens em todos os setores do Corinthians.

Lucio Blanco, que já havia entrado em conflito com o cartola alvinegro no período das obras da Arena, insatisfeito com a ingerência e, mais ainda, com as idéias propostas, decidiu abandonar o clube.

Andres Sanches, que tratava, publicamente, o agora ex-funcionário alvinegro como um de seus “braços direitos”, submisso aos desejos de Rosenberg aceitou a demissão, pouco ou nada fazendo para demovê-lo da ideia.

Náutico tenta embargar execução de dívida com o Palmeiras, mas Justiça não suspende a cobrança

Em 07 de fevereiro, o Palmeiras ajuizou ação de cobrança contra o Náutico, referente a calote em empréstimo do jogador Patrick Vieira.

O clube paulista quer receber R$ 333 mil.

A justiça, após análise de documentos ordenou a execução da pendência, autorizando pagamento de 50% do valor à vista e o restante parcelado em até dez vezes.

Os pernambucanos, então, contra-golpearam com pedidos de embargos da sentença, porém, o juiz Sergio da Costa Leite, da 33ª Vara Civil de São Paulo, não concedeu efeito suspensivo:

“Teor do ato: Vistos.1) O executado foi citado (folha 107), tendo ofertado embargos à execução de nº 1021326-63.2018, aos quais não foi atribuído efeito suspensivo.2) Manifeste-se o exequente, em termos de prosseguimento, no prazo de 5 (cinco) dias.No silêncio, aguarde-se o julgamento dos embargos”

Ou seja, está nas mãos do Palmeiras tocar adiante a execução ou aguardar o julgamento do mérito do recurso.

Carta aberta de um cachorrinho ao Prefeito Bruno Covas

Bloguinho

Por BLOG RAMOS PRADO

Senhor Prefeito Bruno Covas

Meu nome é Bloguinho, tenho três anos de idade, sou um Shih-Tzu, filho do jornalista dono deste blog.

Através dele soube que a Câmara Municipal de São Paulo aprovou a proibição do uso de fogos de artifícios ruidosos na cidade, proposta dos vereadores Reginaldo Tripoli, Mario Covas Neto (seu parente) e Abou Anni.

Já não era sem tempo.

É notório que nós, bichinhos de estimação, fazemos parte do cotidiano do município, tanto os que, por sorte (como eu) conseguiram um lar amoroso para viver, como os desafortunados que sobrevivem nas ruas.

Pesquisas indicam que, em números, superamos até a população de crianças em residências familiares.

Não à toa, os Pets Shops têm crescido tanto e a profissão de veterinário está cada vez mais valorizada.

Diante deste contexto, torna-se inadmissível que seres humanos permaneçam idiotas à ponto de incomodarem a todos, inclusive seus semelhantes, soltando fogos de artifício que, além de perigosos, há muito estão ultrapassados.

Bem informado, até pela profissão, o senhor deve saber que a audição canina é extremamente sensível, e que, em consequência disso, somos acometidos de extremo pavor ao escutar barulhos que ecoam em nossos ouvidos como verdadeiras bombas atômicas.

Não fosse meu pai e minha mãe humanos evoluídos, que nos aconchegam com carinho nestes momentos difíceis, eu e minha irmãzinha, a Bloguinha (ela, uma Maltês, tadinha, que chega a ficar por horas com tremores), talvez nem estivéssemos mais por aqui para fazê-los felizes.

É por isso, Sr. Prefeito, em nome de todos os bichos de São Paulo, torcendo para que esta decisão seja copiada no restante do planeta, peço, encarecidamente, que a Lei da Proibição de Fogos Ruidosos seja sancionada, e que a multa, de R$ 2 mil, de fato, venha a ser aplicada aos infratores.

Infelizmente, nem todos deixam de fazer coisas erradas por conscientização ou medo da Lei, mas apenas quando o bolso, de alguma maneira, corre o risco de ser desfalcado.

Desde já contando com sua compreensão, agradeço pela atenção.

BLOG RAMOS PRADO

Miséria explorada

Resultado de imagem para boulos

De O GLOBO

Por MERVAL PEREIRA

O desabamento do edifício em São Paulo ocupado por uma dissidência do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST) explicitou o descaso das autoridades públicas que, além de não terem programas habitacionais para combater a tragédia da falta de moradia, não fiscalizam os pardieiros invadidos por uma centena de movimentos ditos sociais, mas que, em sua maioria, se transformaram em milícias urbanas, arrancando dinheiro de quem não tem nem para viver.

Por outro lado, o principal movimento, o MTST, que ganhou notoriedade pelo protagonismo de Guilherme Boulos no cenário político nacional, não atua para coibir essas verdadeiras quadrilhas que se aproveitam dos que o candidato à presidência do PSOL alega representar e proteger.

O máximo que Boulos conseguiu fazer foi uma declaração de solidariedade, e garantir, estranhamente, que nunca havia ouvido falar nesse movimento que extorquia dinheiro dos sem teto que ele pretende liderar. E ainda deu-se ao luxo de criticar “os que querem se aproveitar de uma tragédia para fazer política”.

Se não sabe da existência desse e de outros movimentos semelhantes, no mínimo é um relapso, pois deveria ter informações sobre os que atuam no seu terreno, desmoralizando uma campanha que se anuncia como séria e defensora dos direitos humanos dos que não tem casa para morar.

Boulos e seus assessores tinham, na verdade, obrigação de denunciar esse tipo de gente que se aproveita da miséria alheia. Poderiam aproveitar o acesso que têm às autoridades para propor uma campanha conjunta de moralização desses cortiços, ocupados muitas vezes por quadrilhas de bandidos que encontraram neles um novo filão para ganhar dinheiro ilegalmente, da mesma maneira que vendem drogas dentro das ocupações e facilitam instalações clandestinas, os chamados gatos, que acabam provocando tragédias como a do edifício Wilton Paes de Almeida.

Esses grupos, que no limite são ligados a facções criminosas, assemelham-se às milícias que atuam nas comunidades pobres e favelas do Rio, e precisam ser combatidos. A união de milicianos com traficantes, que a polícia paulista está investigando e a intervenção no Rio está combatendo arduamente, é uma ameaça a toda a sociedade.

Guilherme Boulos teria credibilidade para cobrar da prefeitura atitudes mais eficazes para transformar esses prédios invadidos em moradia barata, com direito à fiscalização dos poderes públicos. A prefeitura de São Paulo, em versões recentes ou mais remotas, desde 1997, quando ocorreu a primeira invasão do MTST em um prédio público de São Paulo, têm responsabilidade maior ainda, pois não podem governar apenas para uma parte da população, esquecendo os que são explorados e permanecem vivendo como animais.

Se Guilherme Boulos não se dedicasse tanto à política partidária, e tivesse uma visão mais ampla do que seja uma verdadeira ação política, não permaneceria em Curitiba prestando homenagem a Lula, esperando receber migalhas do espólio do lulismo. E usando os miseráveis que o seguem com fins partidários, colocando-os à disposição da luta política do ex-presidente.

O presidente Michel Temer, já escrevi aqui, não deveria ter ido aos escombros, por ser uma clara ação política indevida, num ambiente hostil. Mas Boulos tinha obrigação de lá estar presente, e de denunciar a extorsão que estava em curso, distorcendo o sentido da ação social que ele alegadamente lidera.

Dizer que nunca ouviu falar desse movimento, e de diversos outros espalhados pelo país, não é suficiente para expiar sua irresponsabilidade. Afinal, um verdadeiro líder tem obrigação de denunciar os que se aproveitam de situações miseráveis para explorar o próximo. Ou basta denunciar as autoridades burguesas e os capitalistas desalmados para justificar sua atuação política?

Canal do Blog do Paulinho no YouTube está com endereço novo. Assine Já !

O endereço do Blog do Paulinho no YouTube mudou porque alguns incomodados com o trabalho reclamaram ao site, simultaneamente, sobre nossas postagens.

Tática de guerrilha.

Punidos, perdemos, até então, mais de onze mil seguidores, que precisarão assinar novamente nosso canal para ter acesso aos milhares de vídeos, que estamos repostando, um a um (trabalho de uma semana).

Tenho certeza que os. em média, mais de quarenta mil acessos diários do Blog do Paulinho darão resposta à intimidação.

Conto com seu apoio, divulgação e adesão !

Pra ter acesso a conteúdos exclusivos do Blog do Paulinho assine o novo canal do YouTube:

https://www.youtube.com/channel/UCnXAUTE_6g1nLKYo2yE8WXQ

(clique no botão “Inscreva-se” e, se quiser, no “sino” ao lado, para ser avisado sempre que houver novas postagens


Ajude o Blog do Paulinho doando BITCOIN para a carteira:

171yZG4ZxoYnLNPT2WqLMhcExbcQcGWjZK


Outras mídias sociais do blog:

Twitter: @blogdopaulinho

Facebook: http://www.facebook.com/blogdopaulinho.com.br/

Instagram: http://www.instagram.com/blogdopaulinhooficial

WhatsApp: (11) 98402-3121

×
Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
%d blogueiros gostam disto: