Advertisements
Anúncios

As mentiras de Romeu Tuma Junior sobre sua atuação como vice de futebol do Corinthians

Romeu Tuma Junior em viagem à China com seu assessor Paulo Li, acusado de chefiar a Máfia Chinesa no Brasil

Aproveitando-se da distância dos fatos, aliado ao pouco interesse da imprensa em pesquisar suas afirmações, o candidato a presidente do Corinthians, Romeu Tuma Junior, desandou a mentir em quase todas as entrevistas concedidas sobre sua trajetória, nos anos 90, como vice de futebol do clube, comportamento que repetiu-se, também, em recente debate de presidenciáveis, promovido pela Universidade de Guarulhos.

O Blog do Paulinho vai desmascarar algumas.

Disse Tuma Junior:

“Eu quero lembrar pra você que eu fui vice-presidente de futebol do Corinthians em 94 e 95”

“(…) nós conquistamos todos os títulos que nós disputamos, exceto o Brasileiro, porque nós enfrentamos o “esquema Parmalat”… nós ganhamos a Copa Bandeirantes, em 94, ganhamos a Copa São Paulo de Juniores (…) ganhamos o Paulista e a Copa do Brasil em 95… ganhamos tudo !”

Tuminha, ao repetir, frequentemente, que foi vice de futebol em 94 e 95, dá a entender que permaneceu no cargo por dois anos, quando, em verdade, ocupou a cadeira por apenas oito meses.

O então delegado titular do 76º DP do Brooklin (não se ausentou do trabalho) foi empossado no dia 14 de julho de 1994 e pediu demissão em 17 de março de 1995.

Sobre os campeonatos que Tuma diz ter vencido enquanto dirigente do Timão: “ganhamos tudo”, a verdade, constrangedora, será contada nas linhas abaixo:


COPA DO BRASIL E CAMPEONATO PAULISTA 1995

A final do Campeonato Paulista de 1995 foi disputada no dia 06 de agosto, enquanto o derradeiro jogo da Copa do Brasil em 21 de junho de 1995.

Tuma Junior demitiu-se do Corinthians em 17 de março de 1995.

Cinco meses antes do Paulista e três meses antes do torneio nacional.

É impossível, portanto, como afirma o ex-delegado, atribuir-lhe quaisquer destas conquistas.

COPA BANDEIRANTES 1994

Tuma Junior fala a verdade quando diz que era dirigente na conquista da Copa Bandeirantes, espécie de repescagem à Copa do Brasil, disputada por equipes da primeira, segunda e terceiras divisões de São Paulo.

Tão relevante que nunca existiu a segunda edição.

O torneio teve início 18 de julho de 1994, quatro dias após Tuma Jr. ser empossado, ou seja, com interferência mínima na conquista.

COPA CONMEBOL 1994 – EXPRESSINHO DAY

Romeu Tuma Junior, certamente envergonhado, nunca cita que era Vice de Futebol do Corinthians na disputa da Copa Conmebol 1994, equivalente à Sul-Americana dos dias atuais.

Trata-se, seguramente, de um dos maiores vexames da história do Timão, rivalizando com o rebaixamento de 2007 e o “Tolima Day”, famosa eliminação do clube da Libertadores em fase pré-grupo.

Em duas partidas disputadas em dezembro de 94, o Corinthians conseguiu a proeza de ser eliminado pelo Time B do São Paulo, o famoso “Expressinho”, perdendo o primeiro jogo, no Pacaembu, por 4 a 3, vencendo o segundo, no Morumbi, por 3 a 2, sendo derrotado nas cobranças de penalidades por 5 a 4.

BRASILEIRO DE 1994

Não dá para culpar Tuma Junior pelo vice-campeonato Brasileiro de 1994, com um time que, aos trancos e barrancos, saldo negativo de um gol (43 gols marcados e 44 sofridos), além de sete pontos atrás do Guarani (3º colocado), chegou à final de maneira surpreendente.

Coisas destes regulamentos pré-pontos corridos.

Ridícula e absolutamente inverosímil é a justificativa para a derrota diante de um Palmeiras bem superior: “perdemos para o esquema Parmalat”.

O Corinthians, que havia tomado de 4 a 1 do Verdão na fase de grupos, tomou mais 3 a 1 no primeiro embate decisivo, segurando empate, em um a um, a duras penas no jogo final, suficiente para levantar o tróféu de vice-campeão.

Este time, armado por Tuma Jr, o mesmo do vexame “Expressinho Day”, era tão fraco que chegou a levar de 5 a 2 do Flamengo, em agosto do mesmo ano, também pelo Brasileirão.


SEM PROBLEMAS NO DEPARTAMENTO DE FUTEBOL ?

Ainda durante o debate eleitoral, Tuma Junior afirmou:

“eu estou absolutamente tranquilo com relação ao futebol… não tive nenhum problema no futebol na época em que eu fui vice-presidente de futebol”

“Nós não tivemos crise… eu até achava engraçado que os repórteres me procuravam e brincavam: “Pô, você não deixa ter crise no Corinthians… o Corinthians dá notícia…”

Não é verdade.

Tuma Junior, em apenas oito meses como vice de futebol, entregou o cargo em quatro oportunidades, muito provavelmente, um recorde mundial.

Duas crises de sua gestão foram registradas em matérias da FOLHA.

Em 14 de novembro de 1994, logo após a derrota por quatro a um para o Palmeiras, em vez de amenizar o ambiente, como contou no debate, Tuma ateou fogo, dizendo que havia falta de união entre os jogadores:

Um mês depois, em 13 de dezembro, Tuma entregou o cargo a Dualib – para fazer pressão, e depois deu entrevista dizendo que “poderia continuar”.

O Blog do Paulinho não comentará o relato de Tuma Junior sobre supostas conversas com repórteres que exaltavam sua atuação na falta de “crises” no futebol do Corinthians por se tratar, aparentemente, de delírio ligado à provável patologia denominada “mitomania”, fama que o ex-delegado carrega consigo – que muitos garantem ser verdadeira, responsável, talvez, pelas mentiras desmascaradas nesta matéria.

Advertisements
Anúncios

Facebook Comments

7 comentários sobre “As mentiras de Romeu Tuma Junior sobre sua atuação como vice de futebol do Corinthians

Deixe uma resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

×
Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
%d blogueiros gostam disto: