Anúncios

Archive for 8 abril, 2017

Novo treinador da base do Corinthians é agente de jogadores, funcionário de Fernando Garcia

abril 8, 2017

Célio Silva

O novo treinador da equipe sub-13 do Corinthians, idade interessante para cooptação de jovens valores, será o ex-jogador alvinegro Célio Silva, ídolo dos anos 90.

No clube, está sendo apresentado como gestor de um projeto social.

Trata-se de meia verdade.

Célio Silva ganha a vida empresariando jogadores de futebol, as vezes por conta, noutras pela empresa ART SPORTS, que é do agente Fernando Garcia (irmão de Paulo Garcia, dono da KALUNGA), apesar de, como é de hábito em seus negócios, estar inscrita em nome de prepostos.

Há pelo menos 20 jogadores na base alvinegra ligados à referida empresa.

No dia 21 de dezembro de 2014, listamos, em matéria, 25 atletas alvinegros que, à época, foram colocados ou cooptados pela ART no Parque São Jorge, além da relação de funcionários de Fernando Garcia, entre os quais Célio Silva, tratado como responsável por “intermediações de negócios”.

O site diz ainda que a ART é parceira da LF Assessoria (em nome de Fernando Garcia) e do SONDA (na verdade, dos outros dois sócios de Garcia, Guilherme Miranda e Gustavo Ferro – que eram da referida empresa):

https://blogdopaulinho.com.br/2014/12/21/fernando-garcia-esconde-25-jogadores-do-corinthians-na-laranja-art-sports-soccer/

Revelamos também, em 06 de janeiro de 2014, que Célio Silva utilizou-se de recibos de contratos oriundos de uma empresa de serviços automotivos, a CS.3 (clara alusão às iniciais do nome ex-zagueiro alvinegro (que está no contrato social), e o número da camisa de quando era jogador) para colocar jogadores no Palmeiras.

https://blogdopaulinho.com.br/2014/01/06/empresarios-ligados-ao-corinthians-negociam-jogadores-do-palmeiras-com-recibo-de-empresa-automotiva/

Este negócio foi realizado em parceria com o ex-jogador Bernardo, também agente, que desde os tempos de Nesi Curi infelicita o departamento amador do Corinthians, quase sempre com anuência e participação do deputado Federal Andres Sanches (PT).

Comandada por bicheiros que obedecem ao citado parlamentar, com a submissão do presidente Roberto Andrade, as categoria de base do Timão transformaram-se em quartel general do que há de pior no Parque São Jorge, entre dirigentes e conselheiros, representados, para que possam se ocultar, por empresários de atletas de má-fama no mercado.

Anúncios

Citadini critica parceria da Crefisa com o Palmeiras

abril 8, 2017

“(a Crefisa) é uma patrocinadora que paga um valor acima do mercado, segundo dizem… é uma espécie de Igreja que sustenta um clube de futebol… ela paga com o dinheiro do dízimo”.


Em entrevista ao programa “No ar” do canal Esporte Interativo, entre diversos assuntos relacionados ao Corinthians, o candidato à presidência do alvinegro, Roque Citadini, questionado, criticou a parceria da Crefisa com o Palmeiras:

“(…) o clube não pode viver de padrinho ou viver de gente que faz benemerência no clube.”

“(…) o clube tem que ser forte pelas suas condições, de ser um clube que é bem enraizado na sociedade, que tem um público grande.”

Em determinado momento, o apresentador André Hening perguntou se o Palmeiras pagará o preço de ter a Crefisa injetando dinheiro, no que Citadini respondeu:

“Não tenha a menor dúvida”.

Na sequência, o dirigente alvinegro ironizou:

“(a Crefisa) é uma patrocinadora que paga um valor acima do mercado, segundo dizem… é uma espécie de Igreja que sustenta um clube de futebol… ela paga com o dinheiro do dízimo”.

Por fim, destacou:

“Só não acho que a empresa deva se envolver no clube… isso não é bom para o clube, mas é péssimo para a empresa”

“(…) sem nenhum clubismo, eu diria o seguinte: para o clube é importante ter patrocinadores, agora, as empresas se juntarem aos clubes, numa relação em que você não sabe onde começa um e termina o outro, não é bom para a empresa… eu posso garantir a você que ficará claro que não é bom para a empresa interferir na gestão, de começar a fazer negócios heterodoxos, comprar jogador, etc…  nenhum dos que fizeram deixaram de sair chamuscados”

Confira abaixo o trecho em que Citadini fala sobre a parceria Crefisa/Palmeiras:

No link a seguir, a íntegra da entrevista:

http://blogdocitadini.us8.list-manage.com/track/click?u=185d426432319b902e860c259&id=5c6da5a601&e=7026111997

Ex-vice-presidente rompe com Andres Sanches e detona diretoria do Corinthians

abril 8, 2017

“(…) não acredito que o atual corpo diretivo do clube tenha condições de fazer isso agora, fragilizados que estão depois de tanta confusão política e situações inexplicáveis como as trocas constantes de diretores da base, a total falta de transparência, a péssima gestão do estádio, as contratações pitorescas de jogadores sem condições técnicas, os negócios mal explicados e justificados nas áreas de marketing, futebol, comissionamento, etc.”


Líder de uma ala do grupo “Corinthianos Obsessivos” que decidiu romper com o deputado federal Andres Sanches, o advogado Felipe Ezabella, que foi vice-presidente de Esportes Terrestres na gestão do agora parlamentar, criticou duramente, em rede social, a atual gestão alvinegra, a quem apoiou na últimas eleições.

Outro desdobramento dos “Obsessivos”, liderados pelo desfrutável Dr. Sergio Alvarenga, permanece fiel ao “dono do clube”.

Confira abaixo a íntegra do desabafo de Ezabella, que inicia falando sobre a venda de CIDs (noticiada esta semana), mas termina noutros assuntos, como farra da base, negócios estranhos, etc:

Essa matéria sobre a venda de CID’s e a outra de hoje de que o clube pretende negociar os títulos no “varejo”, vendendo para que corinthianos ajudem a pagar “a casa própria” passa uma falsa impressão de que as coisas vão bem.

Mas, na realidade, mostra o total desgoverno e a falta de gestão do clube por parte de sua diretoria, que parece muito mais preocupada em acabar logo o ano do que encaminhar a solução de nossos problemas.

É lógico que a venda dos títulos é necessária para o pagamento do financiamento do estádio e a boa iniciativa de apaixonados querendo ajudar o clube é ótima, saudável e ajuda a divulgar não só o título como a sua viabilidade, antes tão questionada. Mas é preciso um pouco de estratégia e conhecimento para entender que a simples venda “picada” não nos ajuda.

Vejam, como diz a matéria, o financiamento é composto por dívidas bancárias e dívidas com a própria construtora, ambas com a incidência de juros. Por contrato, o valor da venda desses títulos não serve para quitar nossa dívida bancária, mas sim a dívida que supostamente temos com a construtora, essa mesma que não terminou a obra e tem mais de 70 executivos réus confessos no, até agora, maior escândalo de corrupção do país.

Ainda, ao vender esses títulos para interessados, obrigatoriamente, tem-se que ajustar um deságio, de forma que o comprador pague por eles um pouco menos do que valem de fato. Já quando a construtora os utiliza em obras próprias, os mesmo são abatidos pelo seu valor real, sem desconto. Ou seja e em resumo, a cada operação com terceiros perdemos 10% do valor do título e o dinheiro arrecadado serve para pagar diretamente a construtora que não terminou nossa obra, e não a dívida bancária!

Pior, estamos pagando dívida sobre dinheiro tomado para construções não realizadas/finalizadas!

Ora, qualquer acordo que o clube possa imaginar em realizar com a construtora inidônea para, rapidamente, livrar-se dela, já que a tal affectio societatis não mais existe (na verdade não deveria existir!), passa, obrigatoriamente, pela utilização dos CID’s como forma de pagamento. Quando a hora desse acordo ou processo chegar, se não houver mais CID”s a serem comercializadas, a construtora, quase insolvente, já vai ter se reembolsado de tudo e sobrará para o clube “apenas” a dívida bancária?

Não tenho dúvida que a melhor saída pro clube é iniciar, o quanto antes, essa discussão no fôro apropriado, antes que seja tarde demais, antes que a construtora transforme os créditos líquidos e bons que possuímos em caixa pra ela, resolvendo o problema de liquidez e até de quase de insolvência que a persegue.

Mas não acredito que o atual corpo diretivo do clube tenha condições de fazer isso agora, fragilizados que estão depois de tanta confusão política e situações inexplicáveis como as trocas constantes de diretores da base, a total falta de transparência, a péssima gestão do estádio, as contratações pitorescas de jogadores sem condições técnicas, os negócios mal explicados e justificados nas áreas de marketing, futebol, comissionamento, etc.

Passada a última grande discussão política, que foi o término do tal do chapão, está mais do que na hora de discutirmos uma mudança total na forma de administração do clube, quebrando por completo os paradigmas que nortearam a administração nos últimos anos, implantando rapidamente uma gestão eficiente, transparente, moderna, que siga os parâmetros mínimos de governança e compliance, com gente nova, corajosa e disposta, que pense e administre o clube como ele deve ser, um Corinthians Grande

Carlos Nuzman tem que falar sobre a CBDA

abril 8, 2017

Há algumas semanas escrevi aqui que Carlos Nuzman estava sumido. Escrevi, também, que a sua intenção em presidir a ODEPA é uma maneira de sair do centro das atenções do Brasil.

Após as prisões havidas na CBDA, Nuzman segue omisso e isso é inaceitável.

Nuzman é o dono do cofre dos recursos públicos oriundos da Lei Piva, repassados às Confederações. Cabe ao Comitê de Nuzman controlar com rigor as contas das Confederações. Nuzman sempre disse que os números de suas Confederações eram rígidamente conferidas. Essa afirmação do presidente do COB tem mostrado-se falsa.

Desde o fim dos Jogos Olímpicos, várias Confederações têm estado em palpos de aranha com o TCU, o MP e a Justiça. A CBDA é apenas mais uma.

Também não se pode olvidar do Sérgio Borges, da empresa SB, que segue preso e que, além de ter ocupado um relevante posto na CBV, passou a ser parceiro de negócios de diversas Confederações. Como se já não bastasse o fiasco que foi o legado olímpico brasileiro, estão vindo à tona desmandos financeiros em várias modalidades.

Carlos Arthur Nuzman segue impávido, como se nada estivesse ocorrendo de muito ruim no esporte nacional.

No caso de Coaracy Nunes, este sempre foi um dos mais próximos aliados de Carlos Nuzman na Assembleia Geral do COB. Fiz parte dessa Assembleia por cerca de doze anos e constatei, na prática, que Coaracy Nunes era da “tropa de choque” de Nuzman, junto com Roberto Gesta de Melo e Ary Graça. Eram os quatro muito unidos.

Ao silenciar diante de tantos escândalos, Nuzman faz como o avestruz, enfiando a cabeça no buraco enquanto finge não ver a derrocada moral do esporte olímpico do Brasil.

Nuzman tem que se pronunciar e anunciar medidas. A fuga para a ODEPA mostra que não tem estatura de estadista para liderar o movimento olímpico do Brasil.

Coluna do Fiori

abril 8, 2017

fiori - dicunto

FUTEBOL: POLÍTICA, ARBITRAGEM E VERDADE

Fiori é ex-árbitro da Federação Paulista de Futebol, investigador de Polícia e autor do Livro “A República do Apito” onde relata a verdade sobre os bastidores do futebol paulista e nacional.

http://www.navegareditora.com.brEmail:caminhodasideias@superig.com.br

apito limpo

“Aquele que quer ser tudo não pode ser nada”

Arthur Schopenhauer – foi um filósofo alemão

—————————————————————-

Agora Sim

Reconhecendo que extrapolou quando confirmou o árbitro Salim Fende Chavez que dias antes trabalhou em uma contenda da equipe santista, para atuar no jogo de ida entre Ponte Preta x Santos; o todo poderoso Domingos Roberto Domingues diretor de árbitros da FPF, se tocou, com isso, antecedendo ao “sorteio” dos árbitros que atuarão nas contendas de volta referentes às Quartas de Final da Série A1, colocou a racional observação: “será desconsiderado o sorteamento da bolinha com o nome do árbitro que trabalhou na partida de ida de uma das equipes”

Esperança

Ao tomar conhecimento da prisão efetuada por agentes da Policia Federal, que participam na Operação Aguas Claras, no espertíssimo Coaracy Nunes presidente da CBDA, minhas entranhas expeliram a esperança que o mesmo chegue acontecer nas administrações da CBF, federações, clubes e entidades paralelas, em especial, nas entidades representativas dos árbitros de futebol

———————————————————————–

Quartas de Final da Série A1 do Paulistão 2017

Jogos de ida:

Sábado 01/04

Ponte Preta 1 x 0 Santos

Árbitro: Salim Fende Chavez

Assistente01: Miguel Cataneo Ribeiro da Costa

Assistente 02: Bruno Salgado Rizo

Item Técnico

Não sobrevieram lances que pudesse colocar em cheque o desempenho do principal representante das leis do jogo

Circulação

Muito centralizado, este fato atrapalha o desenrolar da refrega. Não gostei

Assistentes

Perto no fim da contenda o assistente 01 acertou em sinalizar impedimento do atacante Wendel da Ponte Preta antes de mandar a bola profundo da rede santista

Item Disciplinar

Correto os amarelos para dois defensores da equipe da casa, assim como, para um dos santistas

Botafogo 0  x 0 Corinthians

Árbitro: Flavio Rodrigues de Souza

Assistente 01: Herman Brumel Vani

Assistente 02: Mauro André de Freitas

Item Técnico/Item Disciplina

Os atletas litigantes deveriam pagar os ingressos dos torcedores que se fizeram presentes, vez que, durante os noventas minutos, judiaram e muito da redonda

Domingo 02/04

Linense 0 x 2 São Paulo

Árbitro: Leandro Bizzio Marinho

Item Técnico/Item Disciplinar

Tanto quanto a disputa entre os litigantes, o desempenho do principal representante das leis do jogo pode ser considerado meia boca

Grêmio Novorizontino 1 x 3  Palmeiras

Árbitro: Luiz Flavio de Oliveira

Assistente 01: Emerson Augusto de Carvalho

Assistente 02: Fabio Rogerio Baesteiro

Item Técnico

Trabalho natural

Assistentes

Emerson Augusto de Carvalho integrante do quadro FIFA cometeu dois erros irredimíveis:

1º – impedimento do palmeirense Borja em lance legal;

2º – deixou de apontar saída de bola pela lateral que desempenhou sua atividade

Item Disciplinar

Advertiu corretamente com cartão amarelo dois dos defensores da equipe mandante, bem como, três palmeirenses, dentre estes: Roger Guedes, pouco após do primeiro, levou o segundo, que somados, resultou no vermelho

————————————————————-

Politica

O Estado podre e a Nação emparedada

“Há algo de podre no reino da Dinamarca” – W. Shakespeare (Hamlet)

O estágio de decomposição moral vivido no Brasil oficial hoje resulta de muitos anos – o correto seria dizer séculos – de completa devassidão e absoluta impunidade gozadas por nossas elites dirigentes política e econômica. No entanto, chegamos agora a um ponto, inusitado em nossa História, em que o cinismo ultrapassou todos os limites da decência e da normalidade. A dimensão do rombo na economia pode ser imaginada após a leitura da chamada de primeira página do Estado de anteontem, Ações da Lava Jato pedem R$ 70 bilhões de indenização, ou seja, cerca de metade do déficit previsto para o Orçamento da República este ano.

Parlamentares, membros do Executivo, dirigentes partidários do governo e da oposição e agora fiscais da atuação destes no Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro foram pilhados cobrando propinas de empresas que prestam serviços a estatais, em troca do atendimento a suas reivindicações e seus interesses. E lhes propiciaram lucros exorbitantes em obras não executadas ou mal realizadas. O noticiário acompanha dia a dia o esvaziamento metódico e solerte de todos os cofres do erário, tudo feito com a maior desfaçatez.

O novo caso revela o extremo desse desplante. Parlamentares permitiam que empresas fizessem leis a seu talante e governantes lhes abriam os cofres para que deles fizessem o que bem pretendessem. E pelo menos uma das “cortes” que deveriam auditar as contas de um Estado também foi calada por propinas. Pode-se afirmar que nunca antes na História deste país (e quiçá do inteiro gênero humano) foi praticado o que se executou nestes 14 anos: um assalto de enormes proporções sem que nenhuma providência prática tenha sido adotada para pôr fim a tanta bandalheira. E embora não seja possível conviver mais com isso, é difícil imaginar como pode ser feito, pois o Estado, em franco apodrecimento, emparedou a Nação para impedir que esta aja.

Neste pântano em que o Brasil oficial afundou o País real, a constatação ganha ares (melhor dizer miasmas) de rigidez cadavérica pelo fato de que os três Poderes republicanos agem para acobertar os criminosos, impedindo que eles sejam devidamente processados e punidos, na medida em que possam fazê-lo. É bem verdade que não vige mais entre nós o preceito que destina só aos três pês – prostitutas, pobres e pretos – o inferno prisional. Nas masmorras da “república de Curitiba” o príncipe dos empreiteiros brasileiros, da fina-flor do empresariado, Marcelo Odebrecht, cumpre dolorosa pena. E outros tiveram de apelar para a delação premiada a fim de evitar o mesmo destino. Essa, contudo, não é a regra.

Neste momento, urge dar outro passo histórico. Um dos beneficiários do clube dos acobertados pelo manto da impunidade garantida vem de ser condenado a 15 anos e 4 meses de prisão pelo juiz Sérgio Moro, o principal responsável pela revolução presente. Ex-presidente da Câmara dos Deputados e principal responsável pela abertura do processo do impeachment – mais que indispensável, necessário – da petista Dilma Rousseff, Eduardo Cunha recorreu ao cinismo, à truculência e, sobretudo, a chicanas jurídicas e regimentais do Parlamento para se livrar das penas da lei. Mas terminou sendo investigado, preso, processado e condenado pelos rigores da primeira instância, deixando de se valer da tolerância máxima permitida pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

No momento em que isso ocorre, contudo, mais de uma centena de seus colegas de poder partidário usufruem a benesse do sigilo, sob o qual reina a impunidade garantida pela benemerência do relator da Lava Jato na Corte, Luiz Edson Fachin. Entre tais privilegiados está o presidente nacional do PSDB, Aécio Neves, que execra a “delação seletiva” de que foi vítima e clama pela divulgação, da qual não escapará.

O cidadão sem foro exige saber quais são os gatunos que dilapidam o patrimônio coletivo para manter poder e fortuna. Pois esse tempo é empregado “noturna e diuturnamente” (sic), como diria dona Dilma, por eles mesmos para tornar legais os próprios delitos.

O senador Roberto Requião (PMDB-PR), criador impune do falso pistoleiro Ferreirinha, protagonista da fraude eleitoral que o alçou ao governo de seu Estado, relata um projeto dito de abuso de autoridade, mas que deveria ser chamado de garantia da impunidade. O deputado Vicente Cândido (PT-SP) prepara uma lei mais sórdida, pois tira completamente do cidadão o direito de escolher os próprios representantes no sistema (já em si defeituoso) proporcional vigente no Brasil. A lista fechada, sonho de consumo de dirigentes de partidos, pois abole a consulta ao eleitor, isolaria mais a sociedade do Poder que finge representá-la. Na Venezuela, esse sistema espúrio levou a Hugo Chávez e a Nicolás Maduro, que ora golpeia a democracia usando títeres no Judiciário. Tem sido vã a insistência em aprovar uma lei em que os coleguinhas políticos que tungaram o Fisco se anistiam e jogam no lixo da História o princípio da igualdade de todos perante a lei, já que a sonegação de impostos continuaria sendo vedada a empresários, mas permitida apenas para políticos. Só que, com a Nação emparedada e desmobilizada, a autoanistia é pule de dez no Congresso de malandros com mandato.

O Estado-pântano esforça-se para apodrecer tudo e confirmar a sabedoria popular, segundo a qual uma maçã vencida estraga todas as outras frutas, sãs, de um cesto. E encaminha a Nação para um beco sem saída, cujo muro final só poderá ser ultrapassado pela Constituinte independente, sem nenhum mandatário atual entre seus membros, como sugere o professor Modesto Carvalhosa. De preferência adotando performance bonds, que os ianques usam para impedir que empreiteiros de obras, políticos e burocratas corruptos se comuniquem. O resto é palha.

Autor: José Nêumanne-Jornalista, Poeta e Escritor Publicado no Estadão do dia 05/04/2017

————————————————————–

Finalizando

Desde muito com todas as letras afianço:

Entre a sinceridade do Marcola e semelhantes que se autodenominam marginais, por mim denominados não oficializados, comparando com as desculpas de 99% dos políticos e seus asseclas de que não são ladrões, sem nenhuma duvida: fico com Marcola e demais

—————————————————————–

Chega de Corruptos e Corruptores

Se liga São Paulo

Acorda Brasil

SP-08/04/2017

Ouça abaixo os programas “COLUNA DO FIORI”, desta semana, que foram ao ar pela rádio Rock n’ Gol (http://rockngol.com.br)

*A coluna é também publicada na pagina Facebook:  “No intervalo do Esporte”

*Não serão liberados comentários na Coluna do Fiori devido a ataques gratuitos e pessoais de gente que se sente incomodada com as verdades colocadas pelo colunista, e sequer possuem coragem de se identificar, embora saibamos bem a quais grupos representam.


%d blogueiros gostam disto: