Advertisements

Torcedor de arquibancada

Por Vladir Lemos

http://blogdovladir.blogspot.com/

Não, o torcedor de arquibancada não é um sujeito qualquer. Muitos gostam, acompanham o futebol, amam o jogo de bola, sem fazer questão de ver seu time preferido “in loco”. Têm com ele uma relação distante, se contentam em vê-lo pela televisão, ouvi-lo pelo rádio, ou encontrá-lo nas páginas dos jornais.

O torcedor de arquibancada se assemelha muito àquele cara de que, de tão apaixonado, suporta até ser maltratado pela mulher amada. De outra forma já teria dado um basta nessa realidade que beira a crueldade. Não quero judiar ainda mais desses nobres corações, mas vou avisando que vai ficar ainda mais caro sustentar essa paixão.

Esta semana a Federação Paulista de Futebol começou a tramar um aumento no preço dos ingressos. Os dirigentes alegam que é preciso vitaminar a arrecadação das bilheterias, que ela precisa ser uma das principais fontes de renda dos clubes.E tem mais. Disseram ainda que o fato do Brasil ser a sede da Copa de 2014 vai melhorar os estádios, trazer mais conforto a quem mantém esse hábito. Sem dúvida enxergam nesse torcedor bem disposto alguém capaz de financiar um futebol que eles prometem entregar só no futuro.

Meus amigos, se o futebol piorou, na média, a qualidade daqueles que encarnam esse papel piorou também. Prova disso são os confrontos, as brigas, as facções que andam por aí. Não quero cometer o pecado da generalização, mas também não quero cometer o pecado da omissão, e deixar passar a oportunidade de dividir essa reflexão com vocês. Não foi à toa que a emoção nos olhos vidrados do torcedor que freqüentava a extinta geral do Maracanã, sensivelmente captada pelas lentes do também extinto Canal 100, impressionavam tanto. Eu mesmo, na condição de repórter, testemunhei muitos momentos de pura devoção, e ao escrever essa coluna me lembrei de duas figuras assim.

Uma delas, o Seo Hilário Garcia, um barbeiro apaixonado pelo Jabaquara, cujo amor pelo time da Caneleira jamais precisou de craques para florescer. E, além dele, uma senhora que conheci anos atrás quando fazia um documentário sobre os 100 anos do Sport Recife. Foi o amigo e chargista Humberto Araújo que me apontou Dona Maria José, 79 anos, entrando no estádio da Ilha do Retiro, sozinha, no meio da multidão, pronta pra assistir mais uma peleja do Leão da Ilha.

Semanas atrás, acompanhava uma matéria sobre o triunfo do time rubro-negro no primeiro turno do Campeonato Pernambucano, e quem meus olhos encontraram no meio da galera? Maria José, já muito além dos 80, se equilibrando numa mureta, pulando como menina. Fosse o Jabuca, Hilário estaria fazendo o mesmo. A bandeira de cores amarela e vermelha raramente parava de tremular em suas mãos.

Volto a dizer, o torcedor de arquibancada não é um sujeito qualquer, merecia tratamento mais digno, e hoje em dia, antes de tudo, é um destemido.

Advertisements

Facebook Comments

2 comentários em “Torcedor de arquibancada”

  1. Belo texto. Hoje em dia o torcedor é um verdadeiro sofredor, porque paga caro para assistir jogos do seu time que normalmente monta um elenco horroroso, com jogadores de duvidosa técnica e caratér, equipes mal-montadas taticamente, onde se vê um amontoado de jogadores mas nenhuma organização e disciplina táticas, técnicos retranqueiros (virou moda a escalação de um meio de campo com três volantes “pegadores), estádios às ruínas, com péssimas condições de higiene e conforto; brigas em todos os clássicos. etc. Realmente, o brasileiro é um apaixonado por futebol, porque mesmo assim não abre de mão de ir sofrer no estádio!

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Open chat
Olá, seja bem vindo ao Blog do Paulinho ! Deixe aqui suas dúvidas, sugestões e denúncias. Todas as mensagens serão lidas
Powered by
%d blogueiros gostam disto: